Pular para o conteúdo principal

Reflexão

Por Santiago Wolnei F. Guimarães:

Como cidadão comum, venho compartilhar uma ideia de modo que possa servir para reflexão. A idéia trata justamente deste tema: compreensão.
Desde o início da década de 1990, vêm sendo documentado, em alguns meios de comunicação, um evento absolutamente concreto: a manifestação de representações de grande dimensão expressas em roçados, principalmente da Inglaterra, razão pela qual as levou a serem conhecidas como Círculos Ingleses.
Apesar, entretanto, de tal evento ser evidenciado em formas passíveis de serem contempladas pelos nossos sentidos, não há ainda razões científicas para explicá-lo. O maior problema é que a cada ano aumentam o número de representações, que são feitas na temporada de verão.
Os círculos ingleses tem sido, por outro lado, fortemente associados aos fenômenos ufológicos, dado a sua alta complexidade, que revela a insustentabilidade de que tenha sido algo proveniente das mãos humanas.
As formas são de cunho eminentemente geométrico, o que as tornam difíceis para serem associadas a algo que conheçamos, considerando as formas reais que observamos normalmente na natureza caótica concebida pelos nossos olhos. Algumas figuras parecem, no entanto, trazer informações mais discerníveis, como o que ocorrera em 2001, em uma área próxima ao observatório Chilbolton, em Hampshire, na Inglaterra . A figura é claramente uma referência para algo que fora, por nós, enviado ao espaço, em 1974, a partir do rádio-telescópio de Arecibo, em Porto Rico. Tratava-se de um código que informava cerca de dez informações sobre a vida na terra e a sua relação com o sistema solar.
No caso da figura expressa nos campos ingleses, observa-se a mesma estrutura do nosso código, apesar das respostas diferirem quanto ao conteúdo . Por exemplo, enquanto temos o hidrogénio, carbono, nitrogênio, oxigênio e fósforo na composição da vida na terra, a mensagem que surgira em 2001 na Inglaterra acrescentava o silício à esta composição. Outra informação muito intrigante, dentre outras presentes neste código excepcional, diz respeito à estrutura do DNA, que na terra existe em formato de dupla-hélice, enquanto a que nos fora enviada apresenta um misto entre dupla e tripla hélice, o que foge de qualquer padrão encontrada na terra, de modo que o desconheçamos por completo.
Toda essa informação, além da reveladora idéia de como seriam muitos aspectos de um mundo longínquo, também habitado por criaturas inteligentes o suficientes para interpretar e responder mensagens estruturadas por seres que evoluíram de forma completamente diferente, também serve para mostrar o quanto nós, humanos simples, estamos desprovidos de acesso a qualquer informação que seria absolutamente útil para o nosso próprio entendimento existencial. Porque nossas fontes de informação nos impedem de saber isso? Qual é o interesse de nos manterem ignorantes?
Um simples, porém complexo exemplo remete-se a uma entrevista concedida no programa de Silvia Poppovic, na década de 1990, que fora disposto na internet, quando o psiquiatra Edson Engels pergunta o porquê dos extraterrestres ausentarem-se no que tange às nossas necessidades. Para ele, passamos por muitos problemas, como guerras e doenças, sem sermos amparados pelos ets, o que nos leva a pensar na sua leviandade. Entretanto, não fora perguntado ao psiquiatra o que ele entende pelas diferenças. Seriam todas as criaturas parecidas? Porque teriam que pensar da mesma forma que ele, terráqueo? Porque o seu “umbigo” deveria ser relevado em detrimento do de outros humanos, e, para além disso, da forma de existir de espécies desenvolvidas em contextos evolutivos completamente diferentes?
Um simples, porém complexo exemplo remete-se a uma entrevista concedida no programa de Silvia Poppovic, na década de 1990, que fora disposto na internet , quando o psiquiatra Edson Engels pergunta o porquê dos extraterrestres ausentarem-se no que tange às nossas necessidades. Para ele, passamos por muitos problemas, como guerras e doenças, sem sermos amparados pelos ets, o que nos leva a pensar na sua leviandade. Entretanto, não fora perguntado ao psiquiatra o que ele entende pelas diferenças. Seriam todas as criaturas parecidas? Porque teriam que pensar da mesma forma que ele, terráquio? Porque o seu “umbigo” deveria ser relevado em detrimento do de outros humanos, e, para além disso, da forma de existir de espécies desenvolvidas em contextos evolutivos completamente diferentes?
Nós mesmo, humanos, deveríamos, de acordo com esta idéia, deixar de comer carne imediatamente, pois já sabemos que podem ser substituída por outros alimentos, sem maiores perdas proteicas para, assim, não matarmos mais outros animais por simples vaidade degustativa. Mas, assim o fazemos?
Todo este mosaico de informações indica a necessidade para pensarmos não apenas num “outro”, este ser que “vem de fora”, da mesma forma que pensamos em nós mesmos, com os mesmos objetivos, com a mesma forma de viver com que dispomos em nossa cultura ocidental do século XXI. Somos hierárquicos, característica evolutiva herdada dos primatas e desenvolvida ao máximo no nosso género Homo, a partir da nossa socialização. Também baseamos toda a nossa existência em divisões sociais ligadas ao gênero, à idade, aos acessos à vida. Seria desta forma para tudo e todos?
Todo este mosaico de informações indica a necessidade para pensarmos não apenas num “outro”, este ser que “vem de fora”, da mesma forma que pensamos em nós mesmos, com os mesmos objetivos, com a mesma forma de viver com que dispomos em nossa cultura ocidental do século XXI. Somos hierárquicos, característica evolutiva herdada dos primatas e desenvolvida ao máximo no nosso género Homo, apesar da nossa socialização. Também baseamos toda a nossa existência em divisões sociais ligadas ao gênero, à idade, aos acessos à vida. Seria desta forma para tudo e todos?
Somos absolutamente antropocêntricos e “terracêntricos” e atualmente procuramos por planetas que teriam condições semelhantes às da terra, o que os tornariam propensos para a vida. Entretanto, não sabemos quais são os limites e infinitudes para a vida, nem mesmo na terra, uma vez que a cada ano são encontradas novas espécies, quanto mais dos confins de um Universo que pode formalizá-la de maneira completamente diferente do modo limitado como a concebemos.
Talvez, a partir disso, algumas perguntas relativas ao fenômeno ufológico devessem ser reformuladas. Seriam, de fato, os extraterrestres, essas criaturas que raptam os pobres humanos, absolutamente maldosos? Como tratar esse assunto com a abertura necessária para se poder compreendê-lo? Talvez precisemos iniciar por compreender a nós mesmos, pois ainda há muito para percebermos acerca do que está a nossa vista imediata, antes de concluirmos sobre outras coisas com base em nosso próprio umbigo.

http://www.lucypringle.co.uk/photos/2001/uk2001dm.shtml
http://www.enterprisemission.com/glyph.htm
http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2013/07/arquivo-da-ufologia-quando-ainda-tv.html

FONTE: AGRADECIMENTOS AO AMIGO Santiago Wolnei F. Guimarães

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um relato de abdução muito interessante

Tentarei ser um pouco breve quanto a este caso, que refere-se a mim mesmo.
Sempre tive interesse na ufologia, desde pequeno. Lembro-me, por exemplo, que ainda em 1989, quando eu tinha entre 6 e 7 anos e cursava a antiga 1ª série do ensino fundamental, me interessara de maneira muito especial por uma reportagem sobre extraterrestres e acobertamento de informações correlatas, que passou no programa do Fantastico.
Me recordo que havia assistido o programa escondido atrás da parede da sala. Era uma mistura de muito medo e interesse, uma mistura que, por sinal, me acompanhou por toda adolescência, tendo se intensificado, gradativamente.
Acompanhava a sensação do medo, uma outra, mais ligada à uma suposta ‘observação’. É como se alguma câmara bem grande, escura e profunda estivesse me monitorando. Entretanto, era uma câmara consciente e, mais viva do que qualquer objeto: tinha intenções.
A partir de 1993, quando cursava a quinta-série, assisti o filme “Intruders”, o qual mudara a minha rela…

Relato interessante: Duas experiências sexuais com supostas extraterrestres

O fato a seguir teve lugar no início dos anos 2000, não me lembro a data e o ano exato, como de costume me deitava tarde e foi em uma destas noites que tal fato inusitado teve lugar. Me recordo haver tido um estranho “sonho”, estava num local ermo semelhante a um sítio ou fazenda, era dia e me deparei com uma mulher estranha que caminhava nua neste local, era loira, tinha corpo perfeito, porém um olhar distante, nada normal. Ela nada dizia mas me chamava com seu olhar, de súbito eu fiquei muito excitado com aquela cena, caminhamos até um local onde iniciamos uma relação sexual, ela se encontrava debruçada sobre algo parecido a uma mesa, eu de pé mantendo o ato sexual segurando em sua cintura, o momento era de extremo prazer foi quando ao iniciar o orgasmo, algo inusitado deu lugar, da cintura acima aquela mulher havia se tornado como que uma máquina, onde podia-se ver um sistema de sucção que vinha ao que seria sua vagina e levava meu esperma a um recipiente, me assustei quando vi aq…

Constantes avistamentos no morro de Ipanema, Iperó - SP

Relato e-mail da testemunha Wellington:


Em 25 de Novembro (2013) avistei uma luz no morro de Araçoiaba as 22:30 horas, peguei meu celular e comecei a filmar a Luz que sumiu em seguida, no dia seguinte eu e meu amigo Rodrigo estavamos na casa de um outro amigo, estava mostrando o vídeo para o mesmo que não acreditou, saímos as 22:00 horas na rua para ver se a Luz estava no mesmo Local, foi quando de repente o objeto apareceu novamente no mesmo Lugar, era muito forte, ficou alí por meia hora desaparecendo outra vez, após meia horas a Luz voltou a ficar forte para depois sumir sem regressar posteriormente... No dia 5 de Dezembro a Luz surgiu no mesmo local , mas estava diferente na cor vermelha com um raio de Luz branco forte que descia abaixo do objeto até o morro, desaparecendo em seguida.

Desenhos referentes aos avistamentos:


Desenho mostrando o objeto lançando um jato de luz abaixo


O mesmo objeto desta vez emitindo luzes multicoles


O ponto exato da montanha onde se localizava o objet…